O estímulo sonoro acompanha o ser humano durante toda a sua existência. Através de sons e músicas, as pessoas conseguem construir uma memória sensível e criar associações a momentos bons e ruins. A musicoterapia se aproveita disso para tratar transtornos físicos, emocionais e mentais.

Cada pessoa tem a sua história. Por isso, não há uma “farmácia musical”. O tratamento, feito de modo específico para cada paciente ou grupo, é muito utilizado em centros psiquiátricos. Enquanto um tipo de música pode bloquear a sensibilidade emocional de uma pessoa, em outra é capaz de estimular a imaginação.

As sessões podem contar com a utilização de instrumentos, considerados os objetos intermediários da relação do paciente com a terapia. No Brasil, por exemplo, é comum a utilização de instrumentos de escolas de samba, pois costumam fazer parte do cotidiano das pessoas.

— O que aconteceu no Brasil foi além da terapia. Houve um movimento de inserção social, a partir das criações musicais que ocorreram nas sessões de musicoterapia — explica a musicoterapeuta Raquel Siqueira Silva, que, em junho, lançará o livro “Conexões musicais: musicoterapia, saúde mental e teoria ator-rede’’.

O grupo Harmonia Enlouquece, por exemplo, foi criado a partir do desdobramento de oficinas de musicoterapia para pacientes com transtorno mental. Hoje, a banda é composta por dez integrantes, sendo sete deles pacientes.

Planos de Saúde

Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed Federal
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Medial
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
Fusex
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
Aeronáutica
ABRASA
ABET
Ver todos
Consultas e Internação