Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a esquizofrenia é uma patologia psiquiátrica crônica, grave que leva a distorções no pensamento, no comportamento, na percepção e emoções. Geralmente tem seu início no final da adolescência ou início da fase adulta. Porém, a esquizofrenia de início precoce é definida como o aparecimento de sintomas psicóticos específicos e prejuízos nas funções adaptativas entre os 13 e os 17 anos. E a esquizofrenia de início muito precoce aparece antes dos 13 anos de idade.

Os critérios diagnósticos para esquizofrenia em crianças são os mesmos para a forma adulta, exceto que as crianças deixam de atingir os níveis esperados de desempenho social e acadêmico.

A imaturidade normal do desenvolvimento da linguagem e a separação entre a realidade e a fantasia tornam difícil o diagnóstico da esquizofrenia em crianças, principalmente, com idade abaixo dos sete anos.

A esquizofrenia infantil é uma doença mental rara, mas grave, na qual as crianças interpretam a realidade de forma anormal. Ela envolve uma série de problemas cognitivos (do pensamento), comportamento e emoções, podendo resultar na presença de alucinações (percepções irreais, como escutar vozes), delírios (crenças irreais), pensamentos e comportamentos extremamente desordenados que prejudicam a capacidade funcional da criança.

A esquizofrenia é uma condição crônica que requer tratamento ao longo da vida. Identificar e iniciar o tratamento para a esquizofrenia na infância o mais cedo possível pode melhorar significativamente o resultado a longo prazo do seu filho.

As primeiras indicações de esquizofrenia na infância podem incluir problemas de desenvolvimento, tais como:
• Atrasos na linguagem;
• Rastreamento tardio ou invulgar;
• Caminhada tardia;
• Outros comportamentos motores anormais – por exemplo, balanço ou batimento do braço.

Alguns destes sinais e sintomas também são comuns em crianças com Transtornos Invasivos do Desenvolvimento, como os Transtornos do Espectro do Autismo. Portanto, excluir esses transtornos do desenvolvimento é um dos primeiros passos no diagnóstico.

Características Clínicas
Normalmente, as crianças com esquizofrenia passam a se desinteressar pelas atividades realizadas anteriormente, acompanhadas de isolamento. No início, o quadro é facilmente confundido com depressão, pois a criança torna-se retraída, perde o interesse pelas atividades habituais e passa a apresentar distorções do pensamento e da percepção.

Como ocorre com os adultos, a criança pode ter alucinações, delírios e paranoia, temendo que as outras pessoas estejam maquinando para lhe causar danos ou que estejam controlando seus pensamentos. A criança esquizofrênica também pode apresentar contenção das emoções, nem a sua voz nem suas expressões faciais alteram-se em resposta a situações emocionais. Eventos que normalmente provocam o riso ou o choro podem não produzir qualquer resposta.

O início do quadro da esquizofrenia na infância costuma ser lento, podendo levar meses ou anos para se chegar ao diagnóstico devido à interpretação da alteração do comportamento como período de transição entre as fases normais do desenvolvimento ou como consequência de algum acontecimento marcante. Quando os sinais e sintomas estão presentes, como os delírios e as alucinações, com queda no rendimento escolar, insônia, agitação, agressividade o diagnóstico é mais evidente. As crianças com esquizofrenia podem ter risos inadequados ou chorar sem serem capazes de explicar o motivo.

Sintomas em adolescentes
Os sintomas da esquizofrenia em adolescentes são semelhantes aos dos adultos, mas a condição pode ser mais difícil de reconhecer nessa faixa etária. Isso pode ser em parte porque alguns dos primeiros sintomas da esquizofrenia em adolescentes são comuns para o desenvolvimento típico durante a adolescência, tais como:
• Isolamento social, ou seja, isolar-se de amigos e familiares;
• Queda no desempenho escolar;
• Problemas para dormir;
• Irritabilidade ou humor deprimido;
• Falta de motivação;
• Comportamento estranho;
• Uso de drogas ou álcool.

Em comparação com os sintomas da esquizofrenia em adultos, os adolescentes podem apresentar:
• Menor probabilidade de ter delírios (crenças irreais);
• Maior propensão a alucinações visuais.

Sinais e sintomas de acordo com a evolução do quadro clínico:
Com o passar do tempo, crianças diagnosticadas com esquizofrenia, passam a presentar mais sintomas típicos, que podem incluir:
Delírios: São falsas crenças que não são baseadas na realidade. Por exemplo, você acha que está sendo prejudicado ou perseguido; que certos gestos ou comentários são dirigidos a você; que você tem habilidade ou fama excepcional; que outra pessoa está apaixonada por você; ou que uma grande catástrofe está prestes a ocorrer. Delírios ocorrem na maioria das pessoas com esquizofrenia.
Alucinações: Estes geralmente envolvem ver ou ouvir coisas que não existem. No entanto, para a pessoa com esquizofrenia, as alucinações têm toda a força e o impacto de uma experiência normal. Alucinações podem afetar qualquer dos sentidos, mas ouvir vozes é a alucinação mais comum.
Pensamento desorganizado: O pensamento desorganizado é percebido através da fala desorganizada. A comunicação eficaz pode ser prejudicada, e as respostas às perguntas podem ser parcialmente ou completamente não relacionadas.
Comportamento motor extremamente desorganizado ou anormal: Tal sintoma pode se apresentar desde comportamento infantilizado, também chamado pueril, até agitação imprevisível. O comportamento não é focado em uma meta, o que torna difícil a realização de tarefas. O comportamento pode incluir resistência a instruções, postura inadequada ou bizarra, uma completa falta de resposta, ou movimentos inúteis e excessivos.
Sintomas negativos. Isto refere-se à redução ou falta de capacidade para funcionar normalmente. Por exemplo, a pessoa pode negligenciar a higiene pessoal ou parece não ter emoção – não faz contato visual, não muda as expressões faciais, fala de forma monótona ou não adiciona movimentos de mão ou cabeça que normalmente ocorrem quando se fala. Além disso, a pessoa pode ter reduzida capacidade de se engajar em atividades, como uma perda de interesse em atividades cotidianas, retirada social ou falta de capacidade de experimentar prazer.

Quando consultar um médico
Pode ser difícil saber como lidar com mudanças comportamentais vagas em seu filho. Você pode ter medo de se apressar para ter conclusões que rotulam seu filho com uma doença mental. O professor do seu filho ou outro profissional da escola pode alertá-lo para mudanças no comportamento do seu filho.

Procurar aconselhamento médico se o seu filho:
• Tiver atrasos de desenvolvimento em comparação com outros irmãos ou colegas;
• Parar de realizar atividades diárias, como tomar banho ou vestir-se;
• Não quiser mais se socializar;
• Estiver apresentando um baixo desempenho acadêmico;
• Apresentar estranhos rituais alimentares;
• Demonstrar excessiva suspeita dos outros;
• Mostrar uma falta de emoção ou mostra emoções inadequadas para a situação;
• Apresentar ideias e medos estranhos;
• Confundir sonhos ou programas da televisão para a realidade;
• Apresentar ideias, comportamento ou fala estranhos;
• Tiver comportamento violento ou agressivo ou agitação.

Estes sinais e sintomas gerais não significam necessariamente que o seu filho tem esquizofrenia na infância. Poderiam indicar uma fase, outro transtorno de saúde mental, como depressão ou um transtorno de ansiedade, ou uma condição médica. Procure atendimento médico o mais rápido possível se tiver dúvidas sobre o comportamento ou desenvolvimento de seu filho.

Pensamentos suicidas e comportamento
Pensamentos suicidas e comportamento são comuns entre as pessoas com esquizofrenia. Se você tem uma criança ou adolescente que está em perigo de tentar suicídio ou fez uma tentativa de suicídio, certifique-se que alguém permanece com ele ou ela, e busque atendimento médico.

Causas
Não se sabe o que causa a esquizofrenia na infância, mas pensa-se que ela se desenvolve da mesma forma que a esquizofrenia adulta. Os pesquisadores acreditam que uma combinação de genética, química cerebral e meio ambiente contribui para o desenvolvimento da doença. Não está claro por que a esquizofrenia começa tão cedo na vida de alguns e não de outros.
Problemas com certos produtos químicos cerebrais naturais, incluindo neurotransmissores chamados dopamina e glutamato, podem contribuir para a esquizofrenia. Estudos de neuroimagem mostram diferenças na estrutura cerebral e no sistema nervoso central de pessoas com esquizofrenia. Enquanto os pesquisadores não estão certos sobre o significado dessas mudanças, eles indicam que a esquizofrenia é uma doença cerebral.

Fatores de Risco
Embora a causa precisa da esquizofrenia não seja conhecida, certos fatores parecem aumentar o risco de desenvolver ou desencadear esquizofrenia, incluindo:
• Ter histórico familiar de esquizofrenia;
• Aumento da ativação do sistema imunológico, como a inflamação ou doenças autoimunes;
• Idade avançada do pai;
• Algumas complicações da gravidez e do nascimento, tais como a desnutrição ou a exposição às toxinas ou aos vírus que podem afetar o desenvolvimento do cérebro;
• Tomar drogas psicoativas ou psicoativas (alterando a mente) durante a adolescência.

Complicações
Se não tratada adequadamente, a esquizofrenia na infância pode resultar em graves problemas emocionais, comportamentais e de saúde. Complicações associadas à esquizofrenia podem ocorrer na infância ou mais tarde, tais como:
• Suicídio, tentativas de suicídio e pensamentos de suicídio;
• Auto ferimento;
• Transtornos de ansiedade, transtornos de pânico e transtorno obsessivo-compulsivo (TOC);
• Depressão;
• Abuso de álcool ou outras drogas, incluindo tabaco;
• Conflitos familiares;
• Incapacidade de viver de forma independente, frequentar a escola ou trabalhar;
• Isolamento social;
• Saúde e problemas médicos;
• Problemas legais e financeiros e falta de moradia;
• Comportamento agressivo, embora raro.

Diagnóstico
O diagnóstico de esquizofrenia na infância envolve a exclusão de outros distúrbios de saúde mental e a determinação de que os sintomas não são devidos ao abuso de substância, medicação ou uma condição clínica. O processo de diagnóstico pode envolver:
Exame físico. Isso pode ser feito para ajudar a excluir outros problemas que possam estar causando sintomas e para verificar se há complicações relacionadas.
Testes e exames. Estes podem incluir testes que ajudam a excluir condições com sintomas semelhantes, e triagem de álcool e drogas. O médico também pode solicitar estudos de imagem, como uma ressonância magnética ou tomografia computadorizada.
Avaliação psicológica. Isso inclui observação de aparência e comportamento, perguntando sobre pensamentos, sentimentos e padrões de comportamento, incluindo quaisquer pensamentos de autoagressão ou prejudicar outros, avaliando a capacidade de pensar e funcionar em um nível adequado à idade e avaliar humor, ansiedade e possíveis sintomas psicóticos. Isto também inclui uma discussão da família e da história pessoal.

Processo desafiador
O caminho para diagnosticar a esquizofrenia na infância às vezes pode ser longo e desafiador. Em parte, isso ocorre porque outras condições, como depressão ou transtorno bipolar, podem ter sintomas semelhantes.
Um psiquiatra infantil pode querer monitorar os comportamentos, as percepções e os padrões de pensamento do seu filho durante seis meses ou mais. À medida que os padrões de pensamento e comportamento e os sinais e sintomas se tornam mais claros ao longo do tempo, pode-se fazer um diagnóstico
Em alguns casos, um psiquiatra pode recomendar iniciar medicamentos antes de um diagnóstico definitivo ser feito. Isto é especialmente importante para evitar sintomas de agressão ou autolesão. Alguns medicamentos podem ajudar a limitar esses tipos de comportamento e restaurar um senso de normalidade.

Fonte:
Dra. Ana Taveira, Psiquiatra, Hospital Santa Mônica, Mestre em Ciências – Hospital das Clínicas – Universidade de São Paulo
Dra Eliana Curatolo, Mestre em Psiquiatria Infantil pelo Hospital do Servidor Público do Estado de São Paulo

Planos de Saúde

Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed Federal
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Medial
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
Fusex
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
Aeronáutica
ABRASA
ABET
Ver todos
Consultas e Internação