Um estudo da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra (FCEPUC) revela que as experiências de vergonha na infância e na adolescência, afetam a saúde mental e bem-estar em adultos. – Indivíduos, cujas experiências de vergonha na infância e na adolescência funcionam como memórias traumáticas e se tornam centrais para a sua identidade e história de vida, estão mais propensos a desenvolver psicopatologia (sofrimento psicológico e emocional) na idade adulta – afirma, numa nota divulgada, a Universidade de Coimbra (UC).

Realizada ao longo dos últimos cinco anos, esta investigação – Memórias da vergonha que moldam quem somos – é a primeira, a nível internacional, sobre a fenomenologia das experiências e memórias de vergonha (as suas componentes emocionais, cognitivas e comportamentais)-, salienta a mesma nota.

O estudo explora episódios de vergonha vividos na infância e na adolescência e em que medida passaram a funcionar como memórias traumáticas e autobiográficas, condicionando a sua identidade, comportamento e saúde mental na idade adulta.

Fundamental para regular as nossas relações sociais e para a formação da nossa identidade, a vergonha ainda é uma emoção menosprezada, mas esta investigação da FPCEUC evidencia como a vergonha pode ser uma experiência bastante dolorosa, intensa e com um impacto nocivo na forma como as pessoas se vêem e no seu bem-estar.

Verificamos que as experiências de vergonha, vividas na infância e na adolescência, operam como memórias traumáticas, influenciam a construção da identidade dos indivíduos (por exemplo verem-se como pessoas inferiores, desvalorizadas etc.) e contribuem para o surgimento de sintomas de psicopatologia, como depressão, ansiedade, stress, ideação paranoide ou ansiedade social, na idade adulta, sublinha Marcela Matos, que desenvolveu a sua tese de doutoramento no âmbito deste projeto.

Intervenção clínica necessária

As conclusões da pesquisa, que envolveu três mil entrevistas, junto da população geral, e 120 em pacientes com diagnósticos diversos (depressão, perturbações ansiosas, do comportamento alimentar e da personalidade, entre outros), alertam para a necessidade de intervenção clínica, não só na vergonha, mas também nas memórias da vergonha.

Os médicos devem estar mais atentos a esta emoção e ao seu papel na sintomatologia do doente, sustenta a investigadora do Centro de Investigação do Núcleo de Estudos e Intervenção Cognitivo-Comportamental da UC.

A vergonha é uma emoção transdiagnóstica e se não for detectada e tratada a tempo, pode não só funcionar como um obstáculo à terapia, mas também estar associada a vários sintomas de psicopatologia e levar à autodestruição, adverte Marcela Matos.

É igualmente necessário, acrescenta e especialista, apostar na adoção de medidas de prevenção na infância e na adolescência, nomeadamente junto dos agentes educativos.

No estudo, financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) e orientado pelos professores José Pinto Gouveia, da UC, e Paul Gilbert, da Mental Health Research Unit (Reino Unido), as memórias de vergonha mais traumáticas referidas pelos entrevistados são experiências de abuso físico, abuso sexual, negligência emocional, crítica e desvalorização, comentários negativos sobre o corpo, bullying e a comparações negativas com outros, como, por exemplo, irmãos.

Planos de Saúde

Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed Federal
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Medial
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
Fusex
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
Aeronáutica
ABRASA
ABET
Ver todos
Consultas e Internação