Quem não sofre de vez em quando com uma chata dorzinha de cabeça? Para mais de 80% das mulheres e 60% dos homens, esse martírio ocorre ao menos uma vez por mês. Mas será que damos a devida atenção ao problema? Segundo o médico neurocirurgião formado pela Unifesp Paulo Porto de Melo, é fácil reconhecer uma série de erros na condução e abordagem das dores de cabeça em pessoas que as têm frequentemente. — Ajustes no dia a dia podem, se não trazer a cura, aliviar bastante a frequência e a intensidade do desconforto — explica o médico, que também é colaborador do Departamento de Neurocirurgia da Universidade de Saint Louis (Missouri- EUA) e introdutor e pioneiro da neurocirurgia robótica no Brasil.

O erro número um é ingerir remédios sem prescrição e orientação de um médico. A automedicação, fazendo uso indiscriminado de uma série de analgésicos comuns, leva a franca descompensação da frequência das crises. Algumas vezes, as dores que parecem mais resistentes aos medicamentos até conseguem ser combatidas com o exagero de remédios, mas isso traz alívio mínimo e estimula o retorno do problema. Por isso, o cirurgião alerta para que os pacientes sigam sempre as doses propostas pelo médico.

Por outro lado, demorar muito para tomar o remédio receitado também é muito comum. As pessoas esperam a dor ficar muito forte para só então tomar a medicação prescrita para alívio do sintoma. Melo afirma que isso, na maioria das vezes, só dificulta a ação da medicação, já que, no começo, as crises respondem muito melhor aos remédios.

Entenda a sua dor

Pessoas com dores de cabeça frequentes também precisam mapear a dor. Para isso, paciente e médico precisam conhecer intensamente a dinâmica do desconforto, ou seja, em que parte do dia ocorre, em que época do mês, a duração do sintoma, a resposta às medidas propostas, a relação com o sono e com o estresse, por exemplo. Sem essas informações, acaba sendo comum o atraso de diagnóstico, porque as pessoas atribuem-no a causas equivocadas, como miopia, hipertensão e sinusite crônica.

Algumas vezes, os pacientes também deixam passar alguns sinais clínicos que sugerem que o problema é de causa mais grave e urgente. É bom ficar atento, assim, a sinais como dores que aparecem subitamente, já com intensidade alta, relacionadas a exercícios físicos ou atividade sexual, febre associada a desconforto e sintomas neurológicos, como fraqueza, formigamentos, turvação visual e visão dupla.

No entanto, segundo o médico, o pior erro de todos é se acostumar com a dor. — As pessoas acabam jogando a toalha e desistindo de tratar adequadamente a doença. Vivem sem qualidade de vida, perdem rendimento no trabalho, escola e tem prejuízos na vida social. Para melhorar os sintomas, o especialista sugere a alteração de alguns hábitos, como iniciar atividade física aeróbica regular, dieta balanceada e fracionada, rotina de sono adequada e redução de estresse do dia a dia.

Planos de Saúde

Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed Federal
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Medial
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
Fusex
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
Aeronáutica
ABRASA
ABET
Ver todos
Consultas e Internação