Estima-se que entre 5 por cento e 28 por cento da população em geral ouve vozes de outras pessoas. Ouvir vozes é uma alucinação auditiva que pode ou não estar associada com um problema de saúde mental. É o tipo mais comum de alucinação em pessoas com distúrbios psicóticos como a esquizofrenia. No entanto, um grande número de indivíduos saudáveis também relataram ouvir vozes.

Os sintomas
É difícil descrever como é ouvir vozes, especialmente se você nunca ouviu vozes. Pessoas que apresentam esse distúrbio, descreveu como a voz de alguém de pé ao seu lado. As vozes ouvidas podem ter caráter crítico, complementar ou neutro. Podem dar comandos que são potencialmente prejudiciais. Podem até mesmo fazer a pessoa se envolver em conversas.
Você pode pensar que você nunca experimentou isso, mas você tem certeza? Você pode ter tido a experiência de ouvir alguém chamar seu nome apenas para descobrir que não havia ninguém. De fato, pesquisas mostram que, especialmente para pessoas recentemente enlutadas, não é incomum ouvir a voz de alguém que não está realmente lá falando com você, ou que pode até a pessoa falecida.
Também é comum que as pessoas ouçam vozes como se fossem pensamentos entrando na sua mente de algum lugar fora de si. Este não é o mesmo que uma ideia de repente te inspira, o que as pessoas geralmente reconhecem como proveniente de si mesmas. Esses pensamentos não são os seus próprios e que parecem vir de fora da sua própria consciência.
Um bom exemplo disso é a experiência de recordar uma rima ou sintonizar, o que você está repetindo inconscientemente sob sua respiração e que mantém passando pela sua cabeça novamente e novamente. Você pode mesmo encontrar-se cantarolando. Você nunca tomou a decisão de começar a pensar nisso e é difícil parar de pensar nisso.
A diferença entre o que vem em sua cabeça e uma voz que aparece como palavras em sua mente é que a voz pode passar a falar coerentemente para você e até mesmo envolver você na conversa. Você mesmo não é responsável por isso e você não tem ideia do que essa voz vai dizer em seguida.
Para alguns ouvintes de voz, as vozes podem estar presentes durante todo o dia e impedi-los de fazer as coisas em suas vidas diárias, enquanto outros podem encontrar maneiras de viver com essas vozes. As pessoas que ouvem vozes podem não se sentir capazes de falar sobre eles e podem tornar-se isolados e retirados como resultado.

Predomínio
A maioria das pessoas já tiveram pelo menos uma experiência de ouvir uma voz, quando não havia ninguém ao seu redor. Um estudo descobriu que apenas cerca de 25 por cento das pessoas que ouvem vozes também têm transtorno mental. Enquanto as crianças com idade inferior a 12 anos, têm relatado ouvir vozes, em 75 por cento dos casos, as vozes param pela idade de 13 anos. Quando as vozes persistem até a adolescência e a idade adulta, geralmente é o caso em que há um problema subjacente de saúde mental.

Causas
Até recentemente, vozes foram consideradas como um sintoma de uma doença mental e não por causa do medo do estigma. Ouvir vozes ainda são considerados pela psiquiatria como uma alucinação auditiva e como um sintoma de condições, tais como transtornos esquizofrênicos, psicose maníaco-depressiva e psicoses.
Experiências de vida traumáticas (por exemplo, abuso sexual, negligência, perda de um dos pais) são considerados entre os gatilhos mais significativas de alucinações auditivas, especialmente entre as crianças. 70 por cento dos participantes de um estudo relataram ter começado a ouvir vozes após um evento traumático significativo.

Tratamentos
Método convencional de tratamento utiliza grandes tranquilizantes. Estes não fazem a pessoa se livrar das vozes. Nos últimos profissionais de saúde mental foram ensinados a não deixar ouvintes voz falar sobre suas vozes como este foi pensado para ser conivente com delírios da pessoa e não é útil. Na maioria das vezes os profissionais tentaram distrair o ouvinte voz de suas vozes.
Uma pesquisa mostrou que muitas das pessoas que ouvem vozes, alguns lidam bem com suas vozes, sem intervenção psiquiátrica. Também foi descoberto que muitas pessoas que ouvem vozes consideram como uma parte positiva da sua vida.
Existem vários outros caminhos que podem ajudar:
Converse com outros ouvintes de voz – isso lhe dará a oportunidade de compartilhar experiências e aprender uns com os outros. Você pode se juntar ou criar um grupo de autoajuda.
Ouvintes de voz dizem que é importante discutir suas vozes. Isso ajuda a aprender a reconhecer os seus jogos e truques, bem como os seus aspectos positivos e identificar padrões que são específicos para determinadas situações. Isso pode ajudar a estar melhor preparados para o futuro aparecimento de vozes.
Ouvintes de voz podem pensar que eles são os únicos a ouvir vozes. Isso pode levar a sentimentos de vergonha ou medo de enlouquecer. A ansiedade muitas vezes leva a evitar situações que possam desencadear as vozes, impedir que as pessoas que levam uma vida plena e gratificante. Ansiedade restringe severamente a liberdade de circulação, e as estratégias de prevenção, muitas vezes parecem agravar o problema.
Ouvintes de voz buscam explicações para esclarecer as suas vozes. Entender de onde as vozes vêm e porquê, e que desencadeia, pode ser útil no desenvolvimento de uma estratégia de enfrentamento. A menos que algum significado seja atribuído às vozes, é difícil estabelecer uma relação com elas, a fim de se sentir mais no controle. Abordagens que desestimulam ouvintes voz de buscar o domínio das vozes tendem a produzir os resultados menos positivos.
No processo de desenvolvimento de seu próprio ponto de vista e assumir a responsabilidade por si mesmo, o primeiro passo essencial é a aceitação das vozes como pertencentes a você. Este é um dos passos mais importantes e difíceis para tomar.
Vozes podem expressar o que os ouvintes de voz estão sentindo ou pensando – por exemplo, agressão ou medo sobre um evento ou relacionamento. São os sentimentos que são importantes aqui, e não as vozes. Quando as vozes expressam esses pontos de vista, podem ser valiosas para discutir as mensagens com alguém que você confia.
Quando você ouve vozes que são mal-intencionadas, é difícil aceitar a existência de uma dimensão positiva, útil para a experiência. Entrar em contato com outros ouvintes de voz pode levar à descoberta de que existe vozes positivas, e a constatação de que estas podem ser detectadas, como um resultado da aceitação dos seus sentimentos negativos. A imposição de uma estrutura sobre a relação com as vozes ajuda a minimizar os sentimentos de impotência. É valioso para ver que você pode definir os seus próprios limites e restringir as vozes contra a intrusão excessiva sobre sua vida.
Partilha de experiências permite ouvintes de voz conhecer o que os outros estão usando medicamentos, como útil estes são, e quais são seus efeitos colaterais. É importante, por exemplo, para saber se um determinado medicamento é útil para reduzir a audição de vozes ou aliviar a ansiedade e a confusão.
Partilha de conhecimentos sobre vozes com as famílias e amigos pode ser útil. Se a família e os amigos aceitarem as vozes, pode ser mais favorável. Isso pode tornar a vida dos ouvintes de voz mais fácil, melhorando a sua confiança em situações sociais.
Ouvintes de voz que aprenderam a adaptar-se a suas experiências relatam que o processo tem contribuído para o seu crescimento pessoal. O crescimento pessoal pode ser definido como reconhecer o que você precisa para viver uma vida plena, e saber como atingir estes fins.
A comunicação sobre vozes tem suas desvantagens. Ouvintes de voz podem se sentir muito vulneráveis; alguns ouvintes de voz encontram grande dificuldade em se abrir sobre suas experiências, embora possa ser mais fácil com outros ouvintes de voz. Outra desvantagem é que as vozes podem tornar-se temporariamente mais aguda quando você começar a falar sobre elas. As vantagens superam as desvantagens.
Finalmente, é mais importante reconhecer a grande variedade de situações e circunstâncias individuais. O melhor conselho é tentar aumentar a influência do ouvinte de voz sobre suas vozes, ao invés de intensificar a sua impotência.

Conselhos práticos para a família, amigos e trabalhadores de saúde mental
Para auxiliar os ouvintes de voz, profissionais de saúde mental precisam descobrir quais quadros de referência e estratégias de enfrentamento parecem ser o mais útil para o ouvinte de voz. Ao fazê-lo ouvintes de voz podem ser suportados de forma mais eficaz em suas tentativas de lidar com as suas experiências. Autodeterminação e autoconhecimento são as palavras-chave.
Aceitar a experiência do ouvinte de voz. As vozes são muitas vezes sentidas como maior intensidade e mais real do que percepções sensoriais.
Compreender as diferentes linguagens utilizadas pelo ouvinte de voz para descrever e explicar as suas experiências, bem como a língua falada pelas próprias vozes. Muitas vezes existe um mundo de símbolos e sentimentos envolvidos.
Ajudar o indivíduo a se comunicar com as vozes. Isso pode envolver a diferenciação entre boas e maus vozes, aceitando as próprias emoções negativas do ouvinte de voz. Esta aceitação pode dar uma contribuição essencial para a promoção da autoestima.
Incentivar o ouvinte de voz a conhecer outras pessoas com experiências semelhantes e ler sobre a ouvir vozes, a fim de ajudar a superar o isolamento e o tabu.

Quando procurar ajuda
Se você está ouvindo vozes e o fato de ouvir essas vozes está causando preocupação, converse com seu médico ou procure um psiquiatra, se necessário.

Fonte: Hospital Santa Mônica e Mental Health Foundation

Planos de Saúde

Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed Federal
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Medial
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
Fusex
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
Aeronáutica
ABRASA
ABET
Ver todos
Consultas e Internação