O Ministério Público de Belo Horizonte começa hoje a contatar os usuários de crack que tiveram suas histórias de luta contra o vício publicadas na série de reportagens do Estado de Minas “O crack como ele é”, encerrada ontem. O promotor de Justiça de Defesa da Saúde de Belo Horizonte, Bruno Alexander Vieira Soares, pretende acompanhar caso a caso as vítimas da dependência química, se possível com a ajuda de familiares.

Para os usuários do crack jogados nas ruas, mostrados no primeiro dia da série, descrito como “Trevas”, as medidas podem variar entre internação, atendimento ambulatorial e assinatura de um termo de ajustamento de conduta (TAC) pelo paciente, comprometendo-se a seguir o tratamento.

No caso daqueles que estão batalhando nas idas e vindas do processo de recuperação, mostrados nas reportagens do segundo dia da série (“Sombras”), o MP poderá fazer o encaminhamento para terapia com psicólogos e atendimento de psiquiatra, além de oferecer apoio aos familiares em relação ao usuário de crack. “Muitas vezes, a família chega aqui exigindo a internação compulsória do paciente, sendo que ela é a causa de ele buscar o vício”, alerta o representante do MP.

As reações às histórias retratadas pelo EM, após seis meses de acompanhamento dos personagens, não se restringiram a autoridades. “Obrigada pela publicação da série, que me faz entender melhor a doença e me dá mais paciência com meu filho, que está na caminhada”, comenta a funcionária pública F., mãe de um jovem professor de português que caiu na armadilha do crack. Ela pede para preservar a própria identidade e a do filho. “Ele não pode ser identificado, porque o preconceito existe. Meu coração dói muito, tenho medos demais, mas estou aprendendo, como ele, a viver um dia de cada vez”, revela a mãe, angustiada, que firmou este ano um TAC com o filho, intermediado pelo promotor Bruno Soares.

Ela conta que o rapaz tem feito terapia e semanalmente aos Alcoólicos Anônimos (AA), além de tomar medicação controlada e de ter voltado a trabalhar na semana passada. Ele também não fica com dinheiro, nem cartões e o que ganha vai ser usado para pagar as dívidas que fez no período. “Agora, só falta quitar um cartão”, conta a mãe, que tirou férias-prêmio para acompanhar o filho em todos os passos.

Para aqueles que já estão “limpos”, descritos no terceiro dia da série (“Luz”), outra medida possível é a reinserção no mercado de trabalho, uma das maiores barreiras vividas pelos ex-dependentes químicos de crack. “A grande dificuldade é o empregador confiar na pessoa que está em tratamento de dependência química”, afirma o médico psiquiatra e homeopata Aloísio Andrade.

“Conviver com esse seguimento social nos leva a perceber nitidamente quão profunda pode ser a degradação do ser humano”, afirma o especialista no atendimento a dependentes. “Quero parabenizá-los pela coragem e ousadia de realizar observação prolongada do cotidiano dos usuários.

Fica clara a necessidade de ferramentas sociais de proteção e apoio, que precisam ir além da boa vontade, das boas intenções e dos discursos decorados”, afirma. Foi mostrada a verdadeira realidade dos dependentes de crack e a transformação que a droga provoca nas famílias. São dramas que as comunidades terapêuticas vivenciam no dia a dia e dos quais ninguém ficava sabendo.

Para o agente social Almir Alves dos Santos, de 33 anos, ex-usuário de crack por cinco anos e que está “limpo” há dois anos, sete meses e 23 dias, a série de reportagens mostrou “claramente o que a pedra é capaz de fazer com as pessoas”. “Está faltando investimento dos governos. Todos os dias, encontro pessoas nas ruas pedindo para ser tratadas, mas que não conseguem por falta de vagas ou porque enfrentam dificuldades de apresentar laudo clínico, psiquiátrico e odontológico para conseguir o tratamento gratuito”, denuncia.

Planos de Saúde

Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed Federal
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Medial
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
Fusex
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
Aeronáutica
ABRASA
ABET
Ver todos
Consultas e Internação