Estudo feito por pesquisadores das universidades de Nova York, Illinois e Princeton, e comandado pela médica Lin Bian, da Universidade de Illinois, colocou seu foco em estereótipos de gênero feminino, investigou o comportamento em relação a habilidades intelectuais e sugeriu que os estereótipos surgem muito cedo e têm capacidade de influenciar.

Publicado na revista Science, o artigo revela que meninas de apenas 7 anos já se sentem pressionadas a ter aparência perfeita. Professores dão notas melhores para garotas quando não sabem que elas são garotas. O estudo traz mais um dado que impressiona: já aos 6 anos de idade, as meninas têm dificuldade de acreditar que são “brilhantes”. Mas acham isso dos meninos.

Cerca de 400 crianças de 5, 6, e 7 anos (sendo todas americanas de classe média, em sua maioria brancas) participaram do experimento e receberam uma série de tarefas. Na primeira, as crianças ouviram uma história sobre alguém que era “muito, muito inteligente”, sem que fosse revelado o gênero da pessoa.

Mas quando são requisitadas a adivinhar quem é o protagonista da história, com base em fotos de dois homens e duas mulheres, meninas e meninos tendem a escolher igualmente alguém do próprio gênero.

A partir dos 6 anos, porém, essa identificação começa a diminuir, pelo menos entre as meninas, o que pode indicar que é nessa idade que estereótipos sobre gênero começam a aparecer na reprodução do comportamento.

Os resultados mostraram que, aos cinco anos, tanto os meninos quanto meninas eram igualmente propensos a escolher seu próprio gênero como “muito, muito inteligente”. Mas aos seis e sete anos, “as meninas eram significativamente menos propensas do que os meninos a associar o brilhantismo com o seu próprio gênero”, disse o estudo.

Em outra parte da experiência, as crianças tiveram que adivinhar quem, em um grupo de dois meninos e duas meninas, tinha obtido as melhores notas na escola.

Neste caso, tanto as meninas mais jovens como as mais velhas eram mais propensas a apontar as meninas como as que tinham melhores notas, sugerindo que as “percepções das meninas sobre desempenho escolar estavam separadas das suas percepções sobre brilhantismo”, disse o estudo.

Finalmente, quando as crianças foram questionadas sobre seu interesse em dois novos jogos, um para “crianças que são muito, muito inteligentes” e o outro para “crianças que se esforçam muito”, os pesquisadores descobriram que meninas com seis e sete anos tinham menos interesse do que os meninos no jogo para crianças inteligentes.

Nossa sociedade tende a associar genialidade mais com homens do que com mulheres e essa noção acaba empurrando as mulheres para longe de trabalhos que são percebidos como aqueles que requerem genialidade.

Aos cinco anos, as meninas eram tão propensas a escolher o jogo para crianças inteligentes como o jogo para as crianças que se esforçam.

A ideia da pesquisa foi checar se esses estereótipos já eram sentidos pelas crianças e esse teste sugeriu que sim, de modo a fazer até que as meninas evitem determinadas atividades.

É provável que isso afete as aspirações profissionais das mulheres. Nós acreditamos que é importante explorar se e como as crianças menores começam a aprender esses estereótipos associados ao brilhantismo nos homens.

Se já aos seis anos de idade as meninas são menos propensas a acreditar que elas são “brilhantes”, e mais propensas a achar que os meninos são, a pesquisa mostra que ainda há muito para se fazer sobre a mentalidade rumo à igualdade entre os gêneros.

Planos de Saúde

Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed Federal
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Medial
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
Fusex
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
Aeronáutica
ABRASA
ABET
Ver todos
Consultas e Internação