Dependência de nicotina – também chamada dependência do tabaco – é um vício de produtos do tabaco causado ​​pela nicotina. Dependência à nicotina significa basicamente que você não tem dificuldades em parar de usar a substância, mesmo que esteja causando danos a sua saúde.

A nicotina produz efeitos físicos e alterações do humor em seu cérebro que podem ser temporariamente agradáveis. Estes efeitos fazem você querer usar o tabaco compulsivamente, o que leva à dependência. Ao mesmo tempo, parar de fumar causa sintomas de abstinência, incluindo irritabilidade e ansiedade.

Embora seja a nicotina no tabaco que causa a dependência, os efeitos tóxicos do tabaco resultam de outras substâncias. Fumantes têm taxas muito mais elevadas de doenças cardíacas, derrames e câncer do que os não-fumantes, além de problemas respiratórios.

Independentemente de quanto tempo você fumou, parar de fumar pode melhorar a sua saúde. Muitos tratamentos eficazes para a dependência de nicotina estão disponíveis para ajudá-lo a gerenciar a retirada e parar de fumar para sempre. Peça ajuda ao seu médico.

 

Sintomas

Para algumas pessoas, usar qualquer quantidade de tabaco pode levar rapidamente à dependência de nicotina. Os sinais que alguém pode ser considerado dependente incluem:

Não conseguir parar de fumar. Você já fez uma ou mais tentativas sérias de parar de fumar, mas sem sucesso.

Sentir sintomas de abstinência quando tenta parar. Suas tentativas de parar causaram sintomas físicos e de humor, tais como ânsias fortes, ansiedade, irritabilidade, agitação, dificuldade que se concentrar, humor deprimido, frustração, raiva, fome aumentada, insônia, constipação ou diarreia.

Continuar fumando apesar dos problemas de saúde. Mesmo que você tenha desenvolvido problemas de saúde nos seus pulmões ou no seu coração, você não consegue parar.

Desistir de atividades sociais ou recreativas para fumar. Você para de ir a restaurantes ou para de se socializar com certos familiares ou amigos, porque você não pode fumar nesses locais ou situações.

 

Quando consultar um médico

Você não está sozinho se tentou parar de fumar, mas não conseguiu parar para sempre. A maioria dos fumantes faz muitas tentativas de parar de fumar antes de conseguir uma abstinência estável e prolongada de fumar.

É mais provável parar para sempre se você seguir um plano de tratamento que aborda os aspectos físicos e comportamentais da dependência de nicotina. Usando medicamentos e trabalhando com um psiquiatra que é um profissional especializado no tratamento de dependências químicas. Essa medida aumenta significativamente as chances de sucesso de parar de fumar.

Peça ao seu médico, para ajudá-lo a desenvolver um plano de tratamento que funcione para você.

 

Causas

A nicotina é o produto químico no tabaco que o mantém fumando. A nicotina é muito viciante quando administrada pela inalação de fumo de tabaco nos pulmões, que libera rapidamente nicotina no sangue permitindo-lhe entrar no cérebro em segundos. No cérebro nicotina aumenta a liberação de substâncias químicas do cérebro chamado neurotransmissores, que ajudam a regular o humor e comportamento.

A dopamina, um desses neurotransmissores, é liberada no “centro de recompensa” do cérebro e causa melhora no humor e nos sentimentos de prazer. Experimentar esses efeitos da nicotina é o que torna o tabaco tão viciante.

Dependência de nicotina envolve comportamentais (rotinas, hábitos, sentimentos), bem como fatores físicos. Essas associações comportamentais com o tabagismo podem agir como desencadeantes – situações ou sentimentos que ativam um desejo por tabaco, mesmo que você não tenha fumado por algum tempo.

Comportamentos e dicas que você pode associar com fumar incluem:

  • Certas horas do dia, como a primeira coisa na manhã, com café da manhã ou durante os intervalos no trabalho;
  • Depois de uma refeição;
  • Beber café ou bebidas alcoólicas;
  • Certos lugares ou amigos;
  • Falando no telefone;
  • Situações estressantes ou quando você está se sentindo para baixo;
  • Visão ou cheiro de cigarro em chamas;
  • Ao dirigir seu carro.

Para superar sua dependência do tabaco, você precisa tomar consciência de seus gatilhos e desenvolver um plano para lidar com os comportamentos e rotinas que você associa com o tabagismo.

 

Fatores de risco

Qualquer pessoa que fuma ou usa outras formas de tabaco corre o risco de se tornar dependente. Fatores que influenciam quem usará tabaco e ficará dependente de nicotina incluem:

Genética. A probabilidade de você começar a fumar e continuar fumando pode ser parcialmente hereditária – fatores genéticos podem influenciar como os receptores na superfície das células nervosas do seu cérebro respondem a altas doses de nicotina entregues pelos cigarros.

Educação do lar e influência de pares. As crianças que crescem com os pais que fumam são mais propensos a se tornarem fumantes. Crianças com amigos que fumam também são mais propensos a tentar o cigarro. Evidências sugerem que o ato de fumar exibido em filmes e na Internet pode incentivar os jovens a fumar.

Idade. A maioria das pessoas começa a fumar durante a infância ou a adolescência. Quanto mais cedo começar a fumar, maior será a chance de você se tornar um fumante extremamente dependente quando adulto.

Depressão ou outra doença mental. Muitos estudos mostram uma associação entre depressão e tabagismo. Pessoas que têm depressão, esquizofrenia, transtorno de estresse pós-traumático (PTSD) ou outras formas de doença mental são mais propensos a serem fumantes.

Uso de substâncias. Pessoas que abusam de álcool e drogas ilegais são mais propensos a serem fumantes.

 

Complicações

A fumaça do tabaco contém mais de 60 produtos químicos cancerígenos conhecidos e milhares de outras substâncias nocivas. Mesmo os ditos  “naturais” ou cigarros de palha têm produtos químicos que são prejudiciais à sua saúde.

Fumar prejudica quase todos os órgãos do corpo e prejudica o sistema imunológico do seu corpo. Cerca de metade de todos os fumantes regulares morrerão de uma doença causada pelo tabaco.

As mulheres fumantes têm risco igual  aos homens fumantes de morrer de câncer de pulmão, DPOC e doenças cardiovasculares causadas pelo uso de tabaco.

Os efeitos negativos sobre a saúde incluem:

Câncer de pulmão e outras doenças pulmonares. Fumar causa quase 9 de cada 10 casos de câncer de pulmão. Além disso, o tabagismo causa outras doenças pulmonares, como enfisema e bronquite crônica. Fumar também torna asma pior.

Outros cânceres. O tabagismo é uma das principais causas de cânceres de esôfago, laringe, garganta (faringe) e boca e está relacionado com câncer da bexiga, pâncreas, rim e colo de útero e algumas leucemias. Globalmente, o tabagismo causa 30% de todas as mortes por câncer.

Problemas do coração e do sistema circulatório. Fumar aumenta seu risco de morrer de doença cardíaca e vascular (cardiovascular), incluindo ataque cardíaco e derrame. Mesmo fumar apenas de um a quatro cigarros por dia aumenta o risco de doença cardíaca. Se você tem doença cardíaca ou vascular, como insuficiência cardíaca, fumar pode piorar a sua condição. No entanto, parar de fumar reduz o risco de ter um ataque cardíaco em 50 por cento no primeiro ano.

Diabetes. Fumar aumenta a resistência à insulina, que pode propiciar o desenvolvimento de diabetes tipo 2. Se você tem diabetes, fumar pode acelerar o progresso de complicações, como doença renal e problemas oculares.

Problemas oculares. Fumar pode aumentar o risco de problemas oculares graves, como catarata e perda de visão por degeneração macular.

Infertilidade e impotência. Fumar aumenta o risco de redução da fertilidade nas mulheres e o risco de impotência nos homens.

Gravidez e complicações do recém-nascido. As mães que fumam durante a gravidez enfrentam um maior risco de aborto espontâneo, parto prematuro, menor peso do bebê ao nascer e síndrome de morte súbita infantil (SIDS) em seus recém-nascidos.

Resfriado, gripe e outras doenças. Fumantes são mais propensos a infecções respiratórias, como resfriados, gripe e bronquite.

Sentimentos enfraquecidos. Fumar amortece seus sentidos de gosto e cheiro, fazendo com que a comida possa parecer não tão apetitosa.

Dentes e doenças das gengivas. Fumar é associado com um risco aumentado de desenvolver a inflamação (gengivite) e uma infecção séria que pode destruir o sistema de sustentação para os dentes (periodontites).

Aparência física. Os produtos químicos no fumo do tabaco podem alterar a estrutura de sua pele, causando envelhecimento prematuro e rugas. Fumar também amarela os dentes, dedos e unhas.

Riscos para sua família. Cônjuges não fumantes e parceiros de fumantes têm um maior risco de câncer de pulmão e doenças cardíacas em comparação com as pessoas que não vivem com um fumante. Se você fuma, seus filhos serão mais propensos a doenças respiratórias, piora de asma, infecções de ouvido e resfriados.

 

Diagnóstico

Seu médico pode fazer perguntas ou fazer um questionário para ter uma noção de como você está dependente de nicotina. Quanto mais cigarros você fuma no dia e quanto mais cedo você fuma após o despertar, mais dependente você está.

Conhecer seu grau de dependência ajudará seu médico a determinar o melhor plano de tratamento para você. 

 

Tratamento

Como a maioria dos fumantes, você provavelmente fez pelo menos uma tentativa séria de parar. Mas é raro parar de fumar em sua primeira tentativa – especialmente se você tentar fazer sem ajuda.

Você está muito mais propenso a parar se você usar simultaneamente medicação e acompanhamento profissional, a utilização de ambos, tem provado ser muito eficaz.

 

Medicamentos

Muitos tratamentos, incluindo terapia de reposição de nicotina e outros medicamentos, foram aprovados como seguros e eficazes no tratamento da dependência de nicotina. Usar mais de um medicamento pode ajudar a obter melhores resultados.

Por exemplo, a combinação de um medicamento de ação mais prolongada com um produto de substituição de nicotina de ação curta pode ser benéfica. Converse com seu médico sobre o tratamento certo para você.

No caso de gestantes ou mulheres em período de amamentação que fume menos de 10 cigarros por dia, ou se tiver menos de 18 anos, é importante conversar com o seu médico antes de tomar quaisquer produtos de substituição de nicotina sem receita médica.

 

Fonte: Dr. Claudio Duarte, psiquiatra do Hospital Santa Mônica e Mayo Clinic, USA.